Quinta, 29 Abril 2021 13:52

Lei Aldir Blanc contemplou diversos grupos em Roraima

O Dia Internacional da Dança é comemorado anualmente no dia 29 de abril. A data é destinada a homenagear uma das manifestações artísticas mais belas e expressivas da cultura mundial. Em Roraima, diversos grupos de dança foram contemplados pela Lei Aldir Blanc e receberam os recursos do Governo do Estado, por meio da Secult (Secretaria de Cultura).

 

De projetos de ballet clássico a grupos de hip hop foram selecionados. Entre eles, o projeto Baú da Poesia, da professora de ballet clássico Cristina Rocha. Fundada em julho de 1993, a Escola de Dança Cristina Rocha exerce na sociedade um papel de agente transformador, sendo uma referência com as apresentações anuais ofertadas através de grandes clássicos.

 

“Nós tivemos a alegria da sensibilidade do Governo com uma lei que viesse nos ajudar em um momento tão complicado e assim fez a Lei Aldir Blanc, que se estabeleceu através de cada Estado. E nós, do ballet, produzimos o espetáculo chamado o Baú das Poesias, porque acreditamos que as crianças precisam de um conteúdo elaborado, porque elas estão em casa. No Baú das Poesias as palavras tomam forma e bailam. Um projeto que sem a lei seria impossível”, relatou.

 

Para o secretário de Cultura, Shérisson Oliveira, os benefícios que a lei proporcionou para a economia local é fundamental não só para a dança de Roraima, mas para todos os segmentos artísticos. “Com os resultados dessas contrapartidas é possível mensurar o quão importante é investir em arte e cultura”, explicou.

 

De acordo com o diretor de Produção Cultural da Secult, Enos Almeida, ao todo, 478 projetos foram contemplados em Roraima pela Lei Aldir Blanc, totalizando um investimento de cerca de R$ 11 milhões. Desses, 19 grupos foram contemplados em editais de artes cênicas e de economia criativa.

 

“É gratificante perceber um mosaico tão amplo de resultados positivos como trouxe a dança no Estado e a Lei Aldir Blanc teve um papel essencial em um período tão específico na recessão cultural do nosso País. Hoje podemos ter mapeado tanto o trabalho dos artistas da dança contemporânea como a dança popular e o ballet clássico e temos a convicção de que esses recursos foram muito bem aplicados”, afirmou.

 

Conheça alguns dos grupos contemplados em Roraima

 

HIP HOP - O Movimento Urbanos desenvolve o projeto sociocultural ligado a elementos do hip hop desde 2010. Idealizado por Eduardo Queiroz, o projeto vive de forma independente e sem fins lucrativos. A proposta é realizar eventos, palestras, campeonatos, apresentações e oficinas objetivando a socialização por meio da cultura de rua.

 

JAZZ - A JM Jazz Studio de Dança foi criada há 10 anos por Joandson Marques. Professor, bailarino e coreógrafo. Um espaço de dança e terapias corporais comprometido em transmitir caminhos de iniciação aos conceitos e práticas da arte, além de bem-estar e qualidade de vida. O professor visa contribuir no ensino da arte como reflexão, domínio e fomentação dela ao público no geral.

 

DANÇA DE SALÃO - O espaço conta com a coordenação da professora e coreógrafa Isabel Santos, a pioneira da dança de salão no Estado de Roraima.

 

DANÇA FOLCLÓRICA - O grupo folclórico Tribo Waiká tem como objetivo implementar na dança elementos da cultura indígena e cabocla. Uma das temáticas é homenagear o herói indígena Ajuricaba.