Segunda, 29 Março 2021 13:50

Conheça projetos de circo e de teatro contemplados pela Lei Aldir Blanc

A Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural surgiu com o objetivo de auxiliar os trabalhadores da Cultura bem como espaços culturais brasileiros no período de isolamento social, ocasionado pela pandemia da covid-19.

 

Em Roraima, 480 projetos de diversos segmentos culturais foram contemplados, entre eles projetos de teatro e circo. Neste dia, 27 de março (sábado) é comemorado o Dia Mundial do Teatro e do Circo, a data é uma homenagem ao sempre relembrado “Rei dos Palhaços” do Brasil, Piolin (1897 – 1973), nascido neste dia, em Ribeirão Preto (SP). Filho de circenses, de nome Abelardo Silva, cresceu no picadeiro. Começou a carreira fazendo contorcionismo e acrobacia.

 

Para o Diretor de Promoção Cultural da Secult, Enos Almeida,  a importância da data reside no fato de valorizar a arte circense e também seus integrantes como os palhaços, os malabaristas, os trapezistas, os acrobatas, os contorcionistas, os equilibristas e os mágicos

 

“É uma data extremamente lúdica, nos remete a infância e todo esse universo que a lembrança da criança e a graça do palhaço nos remete a nossa memória afetiva, e o circo e o teatro são uma grande cadeira criativa desse universo de segmentos culturais e é maravilhoso ter um dia em que a gente comemore esses artistas” disse.

 

Com recursos da Lei Aldir Blanc, o Governo do Estado por meio da Secretaria de Cultura, está dando apoio a diversos projetos ligados a artes cênicas e a arte circense.

 

“Os editais simplificados lançados pela Secult possibilitaram que as propostas apresentadas na lei, de conteúdos artísticos-culturais em formatos diversos, tiveram o intuito de incentivar a livre criação artística e a transversalidade e o intercâmbio entre as linguagens. A Secretaria vem recebendo as contrapartidas e auxiliando os contemplados para que todos atendam da melhor forma o exigido pelos editais” explicou o secretário de cultura, Sherisson Oliveira.

 

 

 

 

Conheça alguns dos grupos contemplados:

 

Cadê Todo mundo (Edital de artes cênicas)

 

Espetáculo busca fomentar a conscientização da comunidade artística local em torno da construção de sua identidade cultural e fortalecer o papel dos grupos, agentes e entidades culturais no processo de desenvolvimento cultural local. Assim como proporcionar uma maior inclusão cultural na Amazônia, especialmente no Estado de Roraima, ao realizar um espetáculo que se dispõe a promover reflexão e inclusão social e cultural ao dialogar sobre questões deste ano atípico.

 

Clarices (Edital de artes cênicas)

 

Contemplado pela Lei Aldir Blanc, a proposta do projeto é apresentar de forma online a performance coletiva Clarices, baseada em cinco poemas da escritora Clarice Lispector. Na performance, as atrizes/Clarices refletem sobre amor, família e criação.

 O espetáculo está em fase de produção e deverá ser viabilizado ao público ainda no primeiro semestre deste ano.

 

 

 

Acrobacia Circense  (Edital de artes circenses)

 

Keim Melissa foi aprovada pelo edital de Artes Cênicas com recursos da Lei Aldir Blanc, do Governo de Estado, por meio da Secult. Com o recurso, a artista pôde comprar os materiais utilizados durante a técnica. Ela sempre gostou da arte circense desde criança, mas só teve início no tecido acrobático após a maternidade, aos 26 anos.

 A arte de Melissa é uma modalidade de acrobacia aérea oriunda do circo, uma atividade que mistura força, beleza e autoconfiança

 

 

Apalhaçaria Palhaços Roraimeira (Edital de artes circenses)

 

O Grupo Animação, com sede na Rua Antônio Vieira da Silva nº 1065 / Alvorada,

constituída por artistas circenses local que dedicam seu tempo a pratica da expressão

artística e cultural. Criado com o objetivo de montar um espetáculos circense, realizar oficinas de circo, animação de festas infantis e promovendo as artes em condições sociais.

 

Associação Cultural Locômbia (Edital de artes circenses)

 

Todos já conhecem o Locômbia pelo seu talento com o teatro e a música. Formado pelo casal de colombianos Beatriz Brooks e Orlando Moreno, o grupo comemora trinta anos de resistência no fazer teatral e circense.

 

Palhaça Alegra

 

Projeto visa atingir a nova geração para conhecer o mundo do circo e combater o distanciamento de crianças e jovens com a arte circense.